Passagem de Direção no Museu Aeroespacial

Passagem de Direção no Museu Aeroespacial: Após 16 anos a frente desta instituição Brig do Ar Bhering deixa o cargo

Foto: SGT Fonseca/MUSAL
 Por: Anderson Gabino

Foi realizado no dia de hoje (30/03), nas dependências do Museu Aeropespacial a transmissão do cargo de Diretor do Exmo. Brig.do Ar (R/R) Márcio Bhering Cardoso ao Exmo. Brig do Ar (R/1) Luiz Carlos Lebeis Pires Filho. Após 16 anos na direção do MUSAL, onde foi o Diretor com mais tempo a frente desta instituição, o Brig Bhering se despediu de seus comandados. O Brig do Ar Lebeis assume como 6º Diretor desta Organização Militar.

A cerimônia realizada nos hangares 6 e 7 do MUSAL, fora presidida pelo Ten Brig Ar (R/1) Ailton Santos Pohlmann, Diretor do Instituto Histórico-Militar da Aeronáutica – INCAER. Contou com a presença do Maj. Brig. do Ar Antonio Ricardo Pinheiro Vieira – Diretor da DIRMAB, Brig do Ar Leônidas de Araújo Medeiros Júnior – Diretor da DIRAP e o Brig. do Ar Arnaldo Augusto do Amaral Neto, Comandante da Guarnição dos Afonsos e da Universidade da Força Aérea, dentre outras autoridades militares e civis.

Foto: SGT Fonseca/MUSAL

Na ocasião, foi inaugurado o retrato do Diretor Substituído, Brig Bhering, na Sala do Diretor do MUSAL, e entrega do Distintivo Militar da Organização do MUSAL ao Brig Lebeis, que ofertou ao Brig Bhering uma placa de agradecimento pelos 16 anos como Diretor do MUSAL. Ao final, o Ten Brig Ar Pohlmann agradeceu os o trabalho do Brig Bhering em prol da preservação da história da aviação e ratificou a sua confiança na gestão do Brig Lebeis.

Galeria de Fotos:
(Sgt Fonseca/Musal)

O Museu Aeroespacial

A ideia de se criar um Museu Aeronáutico data de 1943, quando o então Ministro da Aeronáutica, Drº Salgado Filho determinou sua organização, sendo que o trabalho inicial e suas posteriores tentativas, tiveram de ser interrompidas por falta de uma local disponível, na época. Passados 30 anos, desde que a primeira ideia fora pensada em se fazer um Museu, o então Presidente da República, Exmo. Srº Emílio Garrastazu Médici, cria o Núcleo do Museu Aeroespacial em 31 de julho de 1973, através do Decreto nº 72.553, atendendo à Exposição de Motivos do Ministro da Aeronáutica, Ten-Brig-do-Ar -Araripe Macedo.

Em janeiro de 1974, iniciam-se os trabalhos de restauração do prédio e hangares (antiga “Divisão de Instrução de Vôo” da Escola de Aeronáutica – situada no Campo dos Afonsos), simultaneamente aos trabalhos de restauração, começa-se a coleta de acervos históricos, as restaurações nos aviões, motores, armas e outras peças de valor histórico. E após logos esforços, o Museu Aeroespacial ou simplesmente MUSAL foi inaugurado em 18 de outubro de 1976. O MUSAL recebe apoio logístico da Universidade da Força Aérea – UNIFA e está subordinado administrativamente ao Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica – INCAER.

Principais Atividades

O MUSAL tem como suas principais atividades: pesquisar, desenvolver, divulgar, preservar, controlar e estimular as atividades referentes à memória e cultura da aeronáutica brasileira, transmitindo para futuras gerações o que foi a vida, a obra e a contribuição para a sociedade nacional e internacional, daqueles que fizeram a História da Aviação.

Ocupando uma área de  15.195 m², inclui um prédio de dois andares com cinco hangares em anexo, onde encontram-se em exposição a coleção de aeronaves, de relevantes valores históricos e tecnológicos. O MUSAL possui hoje em seu acervo, mais de 200 aeronaves, algumas peças raríssimas como um Focke-wulf FW-58 B-2 Beihe, que foi fabricado no Brasil, na extinta Fábrica do Galeão, sendo único na América do Sul e tendo apenas mais um preservado na Europa.

Uma outra aeronave também quase tão rara quanto o citado anteriormente é o Fairchild C-82 Packet (Pacote), aeronave esta que teve seu auge na FAB nos idos dos anos 60/70, quando era a referência do 1º GTT. Hoje ela encontra-se na fila para ser restaurada e poder estar em exposição permanete junto das demais “aves raras” do Musal. Outro grande atrativo no Musal, são as suas exposições permanentes, com um total de 13, que contam um pouco da história da aviação como um todo e dos primórdios da Força Aérea.

As salas de exposição abrigam as principais coleções históricas de pioneiros da aviação, e o salão principal reúne as aeronaves mais antigas do Museu. O Museu Aeroespacial recebe, em média, 60.000 mil visitantes por ano, com tipologia e faixa etária variadas. Desde o estudante que vem só ou em grupos escolares, até o mais aficionado pesquisador sobre o assunto, são frequentadores assíduos do MUSAL, com objetivos diferentes, mas sempre com grande interesse, já que aviação desperta ao público em geral, uma grande atração.

 

Perspectivas

O valor histórico e tecnológico da coleção de aeronaves do Museu Aeroespacial, equiparado a grandes museus internacionais, nos coloca em condições favoráveis de credibilidade quanto ao acervo que nos é confiado. Com isto, vão surgindo novas doações de aviões e peças históricas, além daquelas que se encontram aguardando restauração.
Além da previsão de chegada de outras aeronaves destinadas ao Museu, existem acondicionadas em Reserva Técnica várias coleções históricas de pioneiros que fizeram a história da aviação, aguardando espaço físico para entrarem em exibição. Pretende-se, ainda, implantar recursos de multimídia nas exposições para prover uma melhor comunicação com os visitantes.

Atual diretor

Brig.  Luiz Carlos Lebeis Pires Filho

Posto: Brigadeiro do Ar R1
Natural: Rio de Janeiro – RJ
Data de Nasc.: 17 de abril de 1960
Data de Praça: 08 março 1976

 

Galeria dos Ex-Diretores

 

fonte: https://orbisdefense.blogspot.com.br

Destaque do mês

Alexandre Nunes, foi destaque do mês na revista americana MODEL AIRPLANE NEWS, especializada em aeromodelismo.
Foto na Pista 1 da ACA – Associação Carioca de Aeromodelismo


Foto mostra Alexandre Nunes,  filho Arthur Nunes sócio da ACA voando o primeiro kit-construído por Alexandre.
Diz o texto “Não podemos dizer se ficamos mais impressionados com o primeiro modelo de Alexandre ou pela  vontade de,  um novo piloto assumir o controle, mas bravo qualquer maneira!  ”
O modelo é da Great Planes,  Extra 300S com um motor de quatro tempos O.S. .91 .

Associação Carioca de Aeromodelismo